Erro Médico

Polícia interdita clínica onde foi realizada lipo que pode ter causado a morte de professora



Rio - A Polícia Civil interditou, na manhã desta quinta-feira, a clínica da médica Geysa Leal Corrêa na Rua Otávio Carneiro, em Icaraí, Niterói, Região Metropolitana. A doutora é responsável por fazer a lipoescultura na professora Adriana Ferreira, de 41 anos, que morreu na segunda-feira, uma semana depois de passar pelo procedimento estético.

De acordo com a polícia, o espaço foi interditado para a realização de uma perícia, ainda sem data. Na tarde de hoje, a médica irá prestar depoimento para esclarecer detalhes sobre a cirurgia e procedimentos.

Segundo o depoimento do marido de Adriana, a mulher dele foi a Niterói, na Região Metropolitana do Rio, para fazer uma lipoaspiração no abdômen e um implante de gordura nos glúteos. Ainda segundo ele, Adriana teria passado mal na sexta-feira e reclamou de falta de ar. Parentes então decidiram levá-la ao Hospital Municipal Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca. No entanto, Adriana teria chegado ao local já sem vida.

Adriana morava na Barra da Tijuca e era professora infantil no município de Paracambi, onde será enterrada no cemitério da cidade às 14h. Seu corpo é velado desde 8h na Igreja Presbiteriana Independente de Paracambi. A educadora tinha dois filhos.

Fonte: O Dia
Polícia interdita clínica onde foi realizada lipo que pode ter causado a morte de professora Reviewed by Fernando Mendes on julho 27, 2018 Rating: 5
Todos os Direitos Reservados - Erro Médico 2021 ©

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Imagens de tema por Ollustrator. Tecnologia do Blogger.