Erro Médico

Mãe precisa de ajuda após parto e um mês em coma


Uma fatalidade que aconteceu em agosto do ano passado, continua impedindo Raylen D'Anunciação dos Santos, de 20 anos, de viver uma das fases mais importantes da sua vida, a maternidade. Durante o parto do filha, Aysha Emanuelly de 8 meses, ela teve uma parada cardiorrespiratória durante a aplicação da anestesia. Após a cesária ela passou um mês em coma, e 90 dias na UTI da Maternidade de Campinas e seguiu internada, quando teve alta, no último dia 29 de março. Hoje, vivendo em uma cama no Jardim San Diego, ela é alimentada por sonda gástrica, usa fraldas geriátricas e está com as mãos e pés atrofiados, segundo a irmã, Luani D'Anunciação dos Santos, de 34 anos. “Não conseguimos mais lidar com o fato de ela ter tido a vida interrompida desta forma. Precisamos de toda a ajuda possível. Ainda não entendemos o que aconteceu naquela sala de parto e vamos atrás dos nossos direitos na hora certa, mas no momento precisamos de ajuda profissional”, falou.

Atualmente, Raylen tem sido atendida por uma equipe multidisciplinar do SAD (Serviço de Atendimento Domiciliar), mantido pelo SUS (Sistema Único de Saúde) e administrado pela Prefeitura. “Desde a semana passada eles estão nos atendendo. Uma médica vem uma vez por semana, e recebemos essa semana a fonoaudióloga, já que ela ainda só consegue dizer poucas palavras e está com a língua enrolada, mas a nossa grande dificuldade é com a fisioterapia. O médico só pode vir uma vez por semana e o tratamento não está surtindo efeito. Precisa ser intensificado”, lamentou. Para a irmã, pelo menos três vezes por semana a jovem precisaria ser atendida, mas ainda segundo ela, o SAD afirmou que devido à grande demanda não seria possível. “Precisamos com urgência que um fisioterapeuta nos ajude. Não conseguimos movê-la da cama e não estamos encontrando outra solução”, falou.


Família precisa de ajuda

Mas as dificuldades da família não param por ai. Diariamente, Raylen consome 1,2 litros de uma dieta alimentar que custa em média R$32,00 o litro. “Demos entrada da Prefeitura que ficou de nos fornecer a dieta líquida, mas ainda não tivemos resposta porque foi tudo muito recente e eles pedem até 20 dias para aprovar”, contou a irmã.
Além do alimento, a jovem usa cerca de cinco fraldas por dia, com um custo de R$50,00 o pacote. “Recebemos muitas doações de fraldas geriátricas dos conhecidos e vizinhos para ela, mas também precisamos para a bebê, que consome além de cerca de oito fraldas por dia, uma lata de leite em pó por semana”, explicou.O leite usado para Aysha é o Aptamil 2 e custa a partir de R$36,00.
As ajudas vieram também pelas redes sociais, segundo a família. “Colocamos alguns vídeos no Facebook e pedimos por ajuda. Minha mãe, Rosália, de 50 anos teve que deixar o trabalho para cuidar da minha irmã e está sem receber. Meu pai tirou férias para ajudar. A única fonte de renda que temos é a do meu marido. A situação é bem crítica”. De acordo com ela, outra situação que facilitaria, seria uma vaga para a bebê em uma creche da cidade. O cadastro foi feito, mas segundo a irmã, não existem vagas na Prefeitura no momento.


O Hospital

A Maternidade de Campinas esclareceu que ter prestou todo o atendimento clínico e médico necessário durante o período de hospitalização da paciente. Após a internação, o hospital afirma ainda ter seguido o Protocolo de Atendimento do Ministério da Saúde, realizando a transferência de cuidados da paciente para o SAD (Serviço de Atendimento Domiciliar), o que foi confirmado pela Prefeitura. O atendimento está sendo feito pelo SAD Sudeste e, segundo a administração, todos os protocolos do SUS estão sendo cumpridos.

“Mesmo após a “Transferência de Cuidados”, o Serviço Social da Maternidade de Campinas, seguindo as ações já realizadas com todas as famílias 'em situação de vulnerabilidade', acionou grupos de voluntários que praticam o assistencialismo, parceiros do hospital, para que incluíssem a ex-paciente em seu rol de assistidos para a verificação da possibilidade de contribuir para o suprimento de suas necessidades materiais”, disse o hospital em nota.

A família pede que quem puder ajudar Raylen, entre em contato pelo telefone (19) 98364-5871.
Mãe precisa de ajuda após parto e um mês em coma Reviewed by Rafael Alfaro on abril 20, 2018 Rating: 5
Todos os Direitos Reservados - Erro Médico 2021 ©

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Imagens de tema por Ollustrator. Tecnologia do Blogger.